nTnD

Plataforma Zoom //

“Há uma certa magia em viver no fundo do abismo”.
As palavras são ditas e escritas pelo João, um dos 6 participantes neste sessão, em resposta ao desafio da primeira sessão de escrever ao som da música.
E com base nas palavras do João, a todos é pedido que rescrevam os dois versos: as mesmas ideias, os mesmos conceitos, mas noutras palavras. As de cada um.
Entre todos os que participam conversa-se sobre o verbo e o verso.
Como podem ficar dentro de nós, a reverberar. Com sensações. Consequências. E fala-se também sobre ter a coragem de arriscar: riscar, apagar, reduzir.
Não ter medo de ficar com uma palavra só. a certa.
Hoje todos escrevem a partir do “eu”. Mas nas próximas sessões todos são desafiados a escrever partindo do outro: Todos serão desafiados a escrever passando por todas as pessoas verbais. E ver como um poema muda consoante a pessoa para a qual estamos a escrever. Na próxima semana cada um deixará de se ter a si ao centro- Sairá do “eu” e o foco estará no “tu”.
Na busca de tema para os próximos poemas, o Pedro escolheu e colocou uma música: Clair de Lune, Debussy.
E depois de ouvir, a cada um foi pedido que falasse do lugar para onde a música os tinha transportado ou das sensações que tinham sentido. Ficaram cinco palavras: cansaço, cor, maré, palavra e voo.